Precisamos realmente do glifosato para termos alimentos ” seguros e acessíveis”?

Precisamos realmente do glifosato para termos alimentos ” seguros e acessíveis”?

10 coisas que você precisa saber sobre o glifosato
10 coisas que você precisa saber sobre o glifosato

 

O glifosato é o herbicida mais utilizado no mundo e é o ingrediente ativo do RoundUp da Monsanto.

A sua licença para aplicação na União Européia expirou no final de Junho. A UE prorrogou a licença por mais 18 meses e está aguardando mais estudos científicos.

 

Quando o glifosato foi autorizado pela primeira vez na UE em 2002, as evidências utilizadas no processo de aprovação baseavam-se inteiramente em estudos financiados pela indústria de pesticidas, muitos dos quais não foram publicados.

 

O processo de aprovação da UE de 2002 , considerou apenas estudos sobre o glifosato sozinho,  sem o espectro completo de produtos químicos no RoundUp, o que alguns estudos já indicam que podem aumentar a toxicidade do glifosato.

 

Além disso, o processo de aprovação de 2002 para o glifosato não considerou se o herbicida poderia alterar o hormônio humano e os seus sistemas reprodutivos.

 

 

Em algumas partes da América do Sul, as taxas relativas aos defeitos congênitos e abortos espontâneos aumentaram em áreas onde  mulheres grávidas vivem perto de campos pulverizados com glifosato.

 

 

As organizações não governamentais têm lutado arduamente para evitar a aplicação do glifosato, argumentando que a UE deve manter o princípio da precaução para evitar mais riscos públicos até que sua evidência científica seja avaliada.

 

Em contrapartida, o lobby agrícola vê o glifosato como “vital” para a proteção das culturas e argumenta que a proibição do glifosato catalisará a proibição de centenas de outros produtos agrícolas “vitais”.

 

Em uma carta aberta aos políticos da UE, os presidentes das organizações agrícolas britânicas escreveram: “Os agricultores europeus precisam de glifosato para manter o fornecimento de alimentos seguro, acessível e ao mesmo tempo responder cada vez mais à demanda dos consumidores por maior sustentabilidade ambiental”.

 

Precisamos realmente do glifosato para termos alimentos ” seguros e acessíveis”?

 

 

A Organização Mundial da Saúde declarou o glifosato como “provável cancerigeno” no ano passado, e não há dúvida de que o glifosato afeta negativamente a biodiversidade das terras agrícolas, a qualidade da água e os suprimentos de alimentos para os pássaros e insetos. O glifosato dificilmente pode ser categorizado como “seguro”.

 

Poder-se-ia argumentar que, a curto prazo, o glifosato poderia tornar o nosso abastecimento alimentar mais disponível tornando o trabalho dos agricultores mais fácil e possivelmente aumentando o rendimento das culturas.

 

No entanto, a longo prazo, com o  uso contínuo de tais produtos químicos é muito mais provável que diminua nossa segurança alimentar em vez de melhorá-la.

 

Em última análise, a segurança alimentar depende da natureza. Quando produtos químicos como o glifosato matam o fornecimento de alimentos de aves e insetos, eles contribuem para a morte de animais silvestres que precisam polinizar nossas colheitas, fertilizar nossos solos ou controlar suas pragas naturalmente.

Já vimos como os produtos químicos agrícolas podem danificar a natureza com o colapso das populações de abelhas como resultado de pesticidas neonicotinóides na UE ou com a histórica “Primavera Silenciosa” detalhada por Rachel Carson na década de 1970.

 

 

O livro foi amplamente lido, e entrou na lista de best-sellers, tendo inspirado uma ampla preocupação pública com os pesticidas e a poluição do ambiente natural. 

 

Silent Spring facilitou o banimento do pesticida DDT em 1972 nos Estados Unidos.

O livro documentou o efeitos deletérios dos pesticidas no ambiente, particularmente em aves.

 

 

Carson disse que tinha sido descoberto que o DDT causava a diminuição da espessura das cascas de ovos, resultando em problemas reprodutivos e em morte. Também acusou a indústria química de disseminar desinformação e de se aceitar as argumentações dessa indústria de maneira pouca crítica.

 

Ambos os neonicotinóides e DDT são proibidos como resultado de seus impactos devastadores na natureza, mas esses produtos químicos persistem e se acumulam na flora e fauna e até mesmo em nossos corpos.

 

Apesar de uma proibição dos EUA há 40 anos,  o DDT continua a ser encontrado em produtos americanos e foi medido no sangue de 99% dos americanos.

O DDT ainda está implicado como causa de câncer, infertilidade e outros efeitos sobre a saúde entre a população dos EUA.

 

O glifosato não é menos endêmico.

 

 

Um estudo de 2015 realizado pela Universidade da Califórnia em São Francisco encontrou glifosato na urina de cerca de 93% dos americanos testados e um estudo de 2013 na Europa encontrou vestígios de glifosato na urina de indivíduos de todos os 18 países testados.

 

Quanto mais glifosato for aplicado, mais ervas daninhas tornam-se resistentes e mais aplicações serão necessárias para obter o mesmo efeito. Em um esforço para combater essas “super ervas daninhas”, expor nosso ambiente e nossos corpos a mais usos destes produtos químicos.

 

O lobby de agricultura argumenta que o glifosato melhora a estrutura do solo – mas em contrapartida também prejudica a química do solo ao afetar os processos biológicos e químicos em torno das raízes das plantas, incluindo a capacidade de fixar o nitrogênio, resultando na necessidade de mais  fertilizantes a custos ambientais e econômicos adicionais.

 

Nesta batalha entre a indústria agrícola e ambientalistas, o argumento tem sido falsamente enquadrado como uma escolha entre “alimentos seguros, seguros e acessíveis” versus proteção da natureza e do meio ambiente.

 

Na realidade, a luta dos ambientalistas não é pela a natureza à custa da comida das pessoas, mas a “natureza para a alimentação das pessoas”.

 

A longo prazo, o que pode tornar o trabalho dos agricultores um pouco mais fácil hoje,  amanhã terá tanta repercussão na natureza – em seus meios de subsistência e em nossa segurança alimentar, que se tornarão muito mais desafiadores nas próximas décadas.

 

É a natureza que cria as condições ideais para cultivar alimentos, não a Monsanto.

 

Dr Cara Augustenborg

Fonte – http://www.irishexaminer.com/

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *